Arraial do Arte no Dique terá shows de Diego Alencikas e Danilo Nunes

Por conta do Covid-19 e seguindo as ordens da Organização Mundial de Saúde, este ano o Arraial do Arte, evento do Instituto Arte no Dique presente no calendário oficial de Santos, será realizado de maneira diferente em 2020. Serão dois shows em junho, transmitidos ao vivo e alusivos à tradicional festa nordestina de São João.

O primeiro show será em 20 de junho, um sábado, às 20h, comemorando a data do Dia de São João (24 do mesmo mês). A atração será o músico Diego Alencikas.

Uma semana depois, 27 de junho, no mesmo horário, celebrando o Dia de São Pedro (29 de junho) será a vez de Danilo Nunes levar aos espectadores um repertório totalmente nordestino. 

As apresentações acontecerão pelas redes sociais do Instituto Arte no Dique (www.facebook.com/artenodique e https://www.instagram.com/artenodiqueoficial/) e depois serão veiculadas no canal Arte no Dique TV (www.youtube.com/arteondiquetv).  

“Nossa prioridade é abrir espaço para músicos da região, tendo em vista as dificuldades que estão encontrando para trabalhar em virtude do distanciamento social”, ressalta o presidente da instituição, José Virgílio Leal de Figueiredo.

Sobre o Arraial do Arte

Realizada há mais de 15 anos, a festa Arraial do Arte, promovida pelo Instituto Arte no Dique com apoio da Prefeitura Municipal do município, resgata a essência da Festa de São João. Até o ano passado, contava com barracas que ofereciam os quitutes originais e tradicionais da cultura popular – bolo de milho, canjica, cural, milho cozido, pamonha, pinhão, bolo de fubá, pipoca, entre outros -, fomentando, assim, a cadeia produtiva local e com apelo turístico.

 No espaço localizado ao lado do instituto, aconteceram shows musicais, apresentações de dançarinos, quadrilhas. O funcionamento  se dará durante três finais de semana, sempre de sexta e domingo, a partir de 15 de junho, sempre depois das 19h. Toda a programação é gratuita.

O Arraial do Arte busca estimular a produção da região do Dique da Vila Gilda, bem como trabalhar a questão da cidadania e o envolvimento dos moradores com a comunidade.

Sobre o Arte no Dique

28 de novembro de 2002. Nessa data foi lançada a pedra fundamental do Instituto Arte no Dique. Passados 17 anos, mais de 15 mil pessoas, em grande parte moradores do Dique da Vila Gilda, em Santos, frequentaram as oficinas da instituição, tiveram acesso à cultura e à arte. “Cultura como um todo”, como costuma dizer o presidente da ONG, José Virgílio Leal de Figueiredo, já que o Arte no Dique trabalha, com seus colaboradores, alunos, frequentadores, parceiros, a questão da cidadania. Desde a entrega semanal de leite para a comunidade, até as oficinas de percussão (que deram início ao projeto), violão, dança, informática, customização, as exibições de filmes seguidas de debates, shows. Artistas de renome como Gilberto Gil, Moraes Moreira, Sergio Mamberti, Lecy Brandão, Wilson Simoninha, Hamilton de Holanda, Armandinho Macedo, Luiz Caldas, Geraldo Azevedo, Luciano Quirino, entre outros, já se apresentaram no espaço.

Diariamente, cerca de 600 pessoas participam do projeto, que tem a missão de oferecer oportunidade de transformação e desenvolvimento humano e social a crianças, adolescentes, jovens e adultos através da participação da comunidade em ações educativas, de geração de renda, meio ambiente e valorização da cultura popular da região. O trabalho sério, que gerou importantes resultados inclusivos, levou a instituição a tornar-se referência em inclusão social, no Brasil e no exterior, sendo convidada diversas vezes festivais e congressos.

Sobre o Intercâmbio cultural:

O Intercâmbio Cultural Internacional teve início em 2012. Desde lá, os participantes do Arte no Dique tiveram a oportunidade de visitar e receber artistas e empreendedores sociais de diversos países da América do Sul e Europa. Com isso, foi possível oportunizar a troca, vivência e ganho de repertório cultural e social de crianças e jovens e de todo o público envolvido nessa ação.

Ao longo desse período, dois jovens que frequentavam as oficinas de percussão do Instituto Arte no Dique decidiram viver profissionalmente em solo europeu, eles são: Gabriel Prado, 22 anos, morador de Bari na Itália onde vive há quatro anos, e Jorge Henrique, da mesma idade, morador de Marselha, na França, há dois anos.

Em 2019, oito crianças entre 07 e 12 anos, moradores do Dique da Vila Gilda e de bairros vizinhos, estão realizando ensaios diariamente para uma nova viagem. A experiência foi repetida em 2020, com nove crianças. Tal jornada em outro país permite, ainda que por alguns dias, aos envolvidos encontrar um “novo mundo”, onde têm acesso a outros hábitos, costumes, identidades, gastronomia, idiomas, horizontes, enfim, cultura.

Hoje o Arte no Dique faz parte do projeto Scholas Ocurrentes, do Vaticano. Outras informações em www.artenodique.com.br,  www.facebook.com/artenodique   e www.youtube.com/artenodiquetv