Abertura do 5º FIDIFEST terá espetáculo dirigido por Luiz Fernando Bongiovanni no Teatro Municipal

kulhydrater i mad tabel go logo fidifest jpegvan de heuvel tuindecoratie link Fidifesthele vejen nik og jay  – Festival Internacional de Dança chega à sua boka havets katedral view quinta edição entre http://leftprevent.life ems training amsterdam 29 de maio e 3 de junho, no http://ironneedle.live/2018/08 waarom glasvezel ipv kabel Teatro Municipal Braz Cubas, onde acontecem as apresentações das mostras competitivas, e Cadeia Velha, local dos workshops. Dirigido por la la land die watch André Santos (com experiência na Broadway), Juliana Luiz e Vanessa Toledo, profissionais da Baixada Santista respeitados e reconhecidos nacionalmente, e realizado pela ADALPA – Associação de Dança do Litoral Paulista, com apoio da parents élancez vous caf Secretaria de Cultura de Santos, o festival visa disseminar a dança na Baixada Santista, formar público para o gênero artístico, que tem crescido no país e ainda movimenta o turismo, atraindo artistas, profissionais da área e interessados de diversas partes do país e do exterior.

la rondavelle tamarin mauritius Em 2017, couch hohe sitzhöhe 62 grupos/escolas participaram da programação, num total de 1.200 bailarinos – inclusive artistas da Argentina, Chile e 18 cidades brasileiras – e público estimado em três mil pessoas. Para esta edição, a expectativa é que 1300 bailarinos participem do festival e o público ultrapasse 4 mil pessoas.

Assim como nas duas edições anteriores, o festival presenteará o público da Baixada Santista com um espetáculo gratuito na abertura. O Núcleo de Pesquisa Marcearia das Ideias, dirigido pelo renomado Luiz Fernando Bongiovanni, apresentará Breve Compêndio para Pequenas Felicidades e Satisfações Diminutas29 de maio, uma terça-feira, no Teatro Municipal. A retirada gratuita dos ingressos começará uma hora antes, na bilheteria do local.

Para criar seu “Breve Compêndio para Pequenas Felicidades”, o Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias resolveu conversar. A ideia fundamental foi trocar experiências entre os integrantes do grupo e perguntar, por várias perspectivas, o que traz a felicidade? Desacelerar, escolher, relacionar, pertencer, acolher, tocar, são algumas ações que apareceram nas discussões que o grupo realizou.

Qual é a felicidade, ainda que efêmera, que dá sentido à vida? A partir dessa indagação, o grupo também se pôs a pensar: quais os obstáculos e impedimentos que nos atravessam? O espetáculo foge do senso comum ao trabalhar a individualidade de cada intérprete e sua própria relação com o tema. Mostra, assim, que não é preciso sorrir para ser feliz.

“Optamos por fazer uma reflexão que não parte do senso comum sobre a felicidade geral, associada, na maior parte do tempo, ao amor, à saúde, aos bens materiais, mas um outro tipo de felicidade, aquela  que cada pessoa descobre individualmente e nutre ao longo da vida. A felicidade que habita os instantes, as frestas, as passagens”, fala o coreógrafo, que contou com a colaboração do elenco para a criação da obra.

“A pesquisa parte de vivências e experiências de cada  artista, como cada um busca a felicidade e quais entraves encontra, a partir daí elaboramos uma lista, um breve compêndio, que se apresenta no âmbito cênico uma manifestação”.

O espetáculo, que fez sucesso em São Paulo, traz para cena a ambiguidade que algumas situações podem apresentar. “É no binômio, felicidade e obstáculos, que o espetáculo se desdobra. Trabalhamos, por exemplo, o tempo a partir da ideia de velocidade, da pressa, do tempo imaginado, do medo, do receio, da ansiedade, mas também das pequenas gentilezas, do tempo de cada um, do direito à fala de cada indivíduo, do acolhimento, do que cabe dentro de um abraço”, afirma o artista.

“Breve Compêndio para Pequenas Felicidades e Satisfações Diminutas” tem duração de 55 minutos, figurinos da bailarina Nayara Saez, cenografia de Oswaldo Lioi, cuja concepção modifica o espaço cênico: projeta, releva e esconde o bailarino; iluminação de Lígia Chaim, projeções de Binho Dias e Osmar Zampieri e a trilha composta por Sérgio Soffiatti. As fotos são de Clarissa Lambert e a produção da Corpo Rastreado.

Workshop

Também na terça-feira, 29 de maio, mais cedo, das 14h às 16h, Luiz Fernando Bongiovanni ministra o workshop gratuito “Oficina de Composição”, no palco do Teatro Municipal. Não há idade mínima para participar. As inscrições podem ser feitas via WhatsApp: 11 977844681.

Luiz Fernando Bongiovanni

 

Luiz Fernando Bongiovanni é bailarino há mais de vinte anos, metade deles passados na Europa – Cullberg Ballet e Ballet da Ópera de Gotemburgo, ambos na Suécia; Scapino Ballet, em Roterdã, na Holanda, e no Ballet da Ópera de Zurique, na Suíça. Desde que retornou ao Brasil, em 2004, trabalha na coordenação de projetos culturais, na execução de oficinas de improvisação e de composição e como coreógrafo em companhias nacionais, como Balé da Cidade de São Paulo, Cia Jovem do Bolshoi, São Paulo Companhia de Dança, Balé Teatro Guaíra, Balé Teatro Castro Alves, Balé da Cidade de Niterói e Corpo de Baile Jovem do Theatro Municipal; e internacionais, Ballett Hagen e Ballett im Revier (Alemanha). Também trabalhou como coreógrafo das óperas “Sansão e Dalila”, “Ariadne em Naxos”, “O  Menino  e  os  Sortilégios” e “Ça  Ira”, no Teatro Municipal de SãoPaulo.

Desenvolve trabalhos pedagógicos de Improvisação e Composição para bailarinos em formação livre e universitários, na UNICAMP, onde trabalhou por dois períodos, como artista residente e professor especialista convidado e hoje desenvolve sua pesquisa de Mestrado. Também foi professor na Universidade Anhembi-Morumbi, no curso de extensão. É diretor e coreógrafo do Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias.

 

 

PROGRAMAÇÃO

 

PROFISSIONAIS RENOMADOS

Após a abertura, o 5º FIDIFEST segue até 3 de junho com as mostras competitivas e os demais workshops. Detalhes sobre valores para as inscrições estão no site www.fidifest.com.br. Já para quem quiser acompanhar as mostras no Teatro, o valor do ingresso será simbólico: R$ 20 (valor promocional de meia-entrada para todos).

Como é tradição no festival, os membros do júri e responsáveis pelos workshops integram a nata da dança no Brasil. Este ano, destaque para a participação de Misha Tchoupakov, russo radicado nos EUA, que integra oCorpo Docente da Escola de Dança da Universidade da Carolina do Norte nos Estados Unidos e foi membro do Ballet Bolshoi. Atuarão a seu lado avaliando as apresentações Cecília Kerche, Primeira Bailarina e Diretora Artística do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, J.C. Violla (júri técnico do quadro Dança dos Famosos, da Rede Globo), Edy Wilson De Rossi (diretor artístico da Anacã Cia de Dança) e Marcio Rongetti, professor particular de Balé de artistas como Claudia Raia, Jarbas Homem de Mello, Fernanda Souza e Cantora Wanderléa.

Cecília, Edy e Marcio também ministrarão os workshops na Cadeia Velha.

INSCRIÇÕES PARA AS MOSTRAS COMPETITIVAS

As inscrições já podem ser feitas. O festival terá mostras competitivas nos estilos Balé Clássico de Repertório, Balé Clássico Livre, Jazz, Contemporâneo, Sapateado, Estilo Livre, Danças Populares (Nacionais e Internacionais), Dança de Salão e Danças Urbanas. As formas de competição são Solo, Duo, Trio e Conjunto. E as categorias:  Baby (02 anos a 05 anos e 11 meses), Infantil (06 anos a 08 anos e 11 meses),Infanto Juvenil (09 anos a 11 anos e 11 meses), Juvenil 1 (12 anos e 14 anos e 11 meses), Juvenil 2 (15 anos e 17 anos e 11 meses), Adulto (a partir de 18 anos) e 3ª Idade (acima de 51 anos). Maiores informações sobre os VALORES e como efetuar a inscrição em www.fidifest.com.br

ASSOCIAÇÃO DE DANÇA DO LITORAL PAULISTA:

A ADALPA é uma associação sem fins lucrativos, fundada em julho de 2016. Tem por missão assessorar os profissionais de dança do Litoral Paulista, em suas ações e atividades oficiais e independentes.

ORGANIZADORES DO FIDIFEST:

André Santos - Iniciou sua formação artística em 1987 quando foi residente numa comunidade carente de Cubatão e se juntou a um grupo de teatro de rua. Após dois anos descobriu o amor pela dança, fazendo parte do Grupo de Dança Espaço Inverso de Zeca Rodrigues. Após muita luta para se manter financeiramente da dança, realizando trabalho como bailarino e coreógrafo em outros países (Japão, Rússia, Itália), especializou-se profissionalmente na dança, chegando finalmente ao Raça Centro de Artes de São Paulo de Roseli Rodrigues. Lá, trabalhou em televisão e com artistas, como: Alexandre Pires, Wanessa Camargo, Netinho de Paula. Até que é convidado a integrar o Grupo Adryana e a Rapaziada, iniciando dessa forma na arte da música. Com o término do grupo ele retornou aos trabalhos como bailarino. Atuou no musical “Vitor ou Vitória?”, contracenando com Marília Pêra, Léo Jaime e Daniel Boaventura. Ao termino da temporada e encorajado por Marília Pêra, seguiu para EUA, onde estudou de 2003 a 2007 na Alvin Aylei American Dance Theater, de 2004 a 2009 na Paganini International Institute of Arts e, de 2008 a 2009, na Broadway Dance Center. Ao término do curso na Broadway Dance Center, retornou ao Brasil e abriu o Centro de Dança Backstage, que tem como diferencial o curso de Broadway Jazz. Além de dirigir e dar aulas em seu Centro de Danças, ele também é professor titular de Jazz de Musical no Curso Técnico de Teatro Musical do SESI São Paulo.

Juliana Luiz - Iniciou a carreira artística aos oito anos num grupo de Jazz e, na mesma temporada ingressou no Conservatório Municipal de Cubatão, onde após 09 anos, em 1993, conquistou a sua formação em balé clássico. Foi assistente de coreografia do Grupo Cênico da Prefeitura Municipal de Cubatão e fez aulas de Street Dance, que lhe permitiu, em parceria com dois dançarinos do Projeto Dança de Rua do Brasil, criar o grupo feminino de Danças Urbanas – KIZOMBA. Sua segunda formação superior é de Radialista – DRT: 30239, onde estagiou na TV Band e na TV da Gente (Netinho de Paula). Trabalhou na Rede Família de Televisão (Emissora do Grupo Record) como redatora e produtora executiva e depois no SBT como assistente de Produção Executiva, trabalhando diretamente com Marlene Mattos. Foi Conselheira de Cultura da Cidade de Cubatão – Segmento Dança (2012-2014) e por dois anos foi professora freelancer de Produção de Eventos do SESC Santos (Em 2015 e 2016). De 2011 a 2018 fez parte da Coordenação dos Grupos Artísticos da Prefeitura de Cubatão. Além de Diretora também atua como Produtora Executiva do FIDIFEST e é Vice Presidente da ADALPA – Associação de Dança do Litoral Paulista.

Vanessa Toledo – Graduada em Educação Física e Pedagogia, iniciou seus estudos em dança no Conservatório Municipal de Cubatão (Ivanildo Rebouças da Silva). Bailarina profissional, tem conhecimento e experiência em Balé Clássico, Jazz, Musical, Contemporâneo e Danças Urbanas. Participou de diversos cursos de dança e teatro com Roseli Rodrigues, Zeca Rodrigues, Edson Santos, Kátia Barros, Henrique Carvalho, Gláucia Lacerda, Roseli Pustiglione, Miriam Carbonaro, Marcelo Cirino, Sabrine Sofia, Alexandre Camilo, Gregh Filho, Sandra Corveloni e Wilson Gava (Escola Wolf Maia), entre outros. Integrou os grupos Espaço Inverso, Cubatão Dança e Arte, Corpo Coreográfico e Cênico de Cubatão e Banda Nova Era/SP.

Trabalhou como bailarina profissional dançando com duplas sertanejas e em balés de programas de televisão e participou de diversos Festivais de Dança, como: Festival de Dança de Joinville, ENDA – Encontro Nacional da Dança, Ribeirão em Dança, Passo de Arte e Festival de Dança do Mercosul.  É funcionária pública da Secretaria Municipal de Cultura de Cubatão, desde 2006 e Diretora Artística da Cia. de Dança de Cubatão, desde 2009. Sob sua direção, o grupo conquistou vários títulos em importantes festivais nacionais como:  Joinville, Festidança, Passo de Arte, Bravos e internacional como: Valentina Koslova Internacional Ballet Competition.

Endereço:

Teatro Municipal Braz Cubas – Avenida Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias.

Cadeia Velha – Praça dos Andradas, sem número, Centro.

Maiores informações:

www.fidifest.com.br

www.facebook.com/fidifest