Choro de Bolso e Julinho Bittencourt lançam álbum no Guarany

Julinho, Débora e Marcos.

kulhydrater i mad tabel go Julinho, Débora e Marcos.

van de heuvel tuindecoratie link O Choro de Bolso, duo formado por Marcos Canduta e Débora Gozzoli, dispensa apresentações. Basta passar no fim de tarde, numa sexta, na calçada da Marechal Deodoro, quase esquina com a Praça Independência, para conferir o talento da dupla, que percorre várias cidades anualmente. Em junho de 2012, eles se apresentaram em uma noite memorável ao lado do amigo Julinho Bittencourt, que também dispensa apresentações, no Teatro Guarany. A mistura deu caldo: competência musical aliada à amizade fora do palco.

hele vejen nik og jay Pois bem: nesta quinta, 12, a partir das 21h, o trio se reúne novamente para apresentar o aguardado álbum “Os Choros, Sambas e Canções que a gente mesmo faz”, realizado com apoio do Fundo Municipal de Cultura – Facult. O show integras a programação do projeto Quintas Autorais e terá as 14 faixas do CD, além de outras surpresas. No repertório, samba, choro, entre outros gêneros.

boka havets katedral view Conversamos com Marcos Canduta para saber um pouco mais sobre o novo projeto. Lembrando que as carreiras dos três músicos já foram contadas aqui no CulturalMente Santistas e podem ser conferidas nos links abaixo. Logo em seguida, a conversa com Canduta.

http://leftprevent.life ems training amsterdam http://ironneedle.live/2018/08 waarom glasvezel ipv kabel | Débora Gozzoli

la la land die watch parents élancez vous caf | Julinho Bittencourt

la rondavelle tamarin mauritius couch hohe sitzhöhe | Marcos Canduta

Como surgiu a ideia do álbum?
A ideia do CD é consequência natural de um show que fizemos no Guarany em junho de 2012, só com músicas nossas. Entre junho e dezembro surgiram mais canções e escolhemos 14 para o disco.

Capa (arte por Paulo Consentino).

Capa (arte por Paulo Consentino).

Desde o planejamento até o lançamento passaram-se alguns anos, certo? Quais os maiores obstáculos para conseguir lançá-lo?
Entre o show e o início das gravações se passaram 7 meses, começamos a gravar em janeiro de 2013 e em dezembro de 2013 foram feitas as últimas gravações. Em janeiro de 2014 iniciamos a mixagem e depois a masterização. No final de julho o disco foi para a fábrica e no meio do caminho a fábrica foi vendida e esse processo demorou demais.

Você e Débora trabalham juntos sempre. Como foi juntar-se a um amigo e, agora, realizar um trabalho a três? Na hora de definir o repertório, como foi o processo de escolha?
Eu e Débora tocamos juntos há mais de 10 anos. Com Julinho trabalhei há muitos anos, começamos juntos. Quando Julinho voltou de Brasília para Santos, começou a frequentar a Realejo toda sexta e, ouvindo alguns choros meus, pediu pra colocar letra, e assim começou.

Comentem um pouco o projeto: quantas músicas são? Há participações de outros músicos/compositores? Poderemos encontrar mais choro, MPB ou algum gênero diferente?
O CD tem 14 músicas: 11 minhas e do Julinho, uma dele e da Débora, outra dele sozinho e uma dele com outro parceiro. A maior parte é formada por sambas, mas tem choro, tem canção, tem valsa e até uma moda de viola. No disco temos o Julinho cantando, eu de violão a Débora de flauta, mais baixo, pandeiro, surdo, cuíca, caixa, etc… E violino e violoncelo. Todos os arranjos são meus, e a capa é do Paulo Consentino

E no dia do lançamento, serão apresentadas canções que não entraram no álbum?
No show vamos tocar sim algumas coisas que não estão no álbum, e que farão parte do próximo, que já está em pré-produção, CD instrumental do Choro de Bolso além de algumas coisas do Julinho.

Pretendem depois vendê-lo em outro formato, online, etc? Qual a importância de um CD ainda na carreira de um músico?
O disco já está on-line no Soundcloud. É só entrar no site e digitar “Os Choros, Sambas e Canções que a gente mesmo faz”, audição gratuita. Apesar do CD já estar com os dias contados e cada vez mais se consumir música on-line, ainda é importante. Muitas pessoas ainda gostam de ter o CD, olhar o encarte, essas coisas. Mas todo o processo de criação e gravação não muda, sendo para CD físico ou on-line, e esse processo é extremamente prazeroso.

Fique à vontade para deixar um recado aos leitores.
Bem é isso: deixamos então o convite para o dia 12, no Guarany, 21h, lançamento do CD “Os Choros, Sambas e Canções que a gente mesmo faz”.